Ptose Mamária – será que você tem?





A queda das mamas é uma queixa bastante recorrente entre as mulheres. Classificada em três graus (leve, moderada e severa), ocorre devido à flacidez da pele, que perde a sua sustentação, pela diminuição do tecido mamário ou pela substituição por gordura. Independente da causa, a mudança afeta fortemente a autoestima da maioria das mulheres.


A gravidez e amamentação são importantes causas, por todas as alterações hormonais sentidas pelo corpo feminino nesses processos. Outras condições que provocam a ptose mamária são o envelhecimento, grandes perdas de peso e histórico familiar (condição genética).


Há também muitos casos de mulheres jovens, sem filhos e sem nenhuma condição predisponente dessas citadas acima que apresentam ptose mamária severa, por uma simples tendência do organismo, por condição genética. ⠀


Os graus de ptose mamária são classificados da seguinte forma:


Grau I – Aréola na altura do sulco mamário e acima do contorno da glândula.


Grau II – Aréola abaixo do sulco mamário e acima do contorno da glândula.


Grau III – Aréola abaixo do sulco mamário e do contorno da glândula.


Ptose parcial – Aréola acima do sulco mamário e ptose da glândula.


Pseudoptose – Aréola acima do sulco mamário e pele frouxa por hipoplasia.


Em casos em que a ptose já atingiu o grau 3, é importante buscar intervenções cirúrgicas para melhora do aspecto das mamas, mas a cosmetologia e a estética também são aliadas na prevenção e tratamento de graus mais leves de queda.


Casos de grau mais leve podem ser melhorados com um implante de silicone específico. Já em graus mais avançados, é necessário realizar uma mastopexia. O procedimento consiste no reposicionamento da aréola e o tecido mamário, removendo o excesso de pele e/ou gordura.


Para saber o seu grau de ptose e qual o procedimento indicado no seu caso, é necessário procurar por um cirurgião plástico membro da SBCP, que esclarecerá todas as suas dúvidas.